Sunday, July 05, 2009

A Igreja, Os Antigos, O Tsunami e O Palhaço

Eu ia dividir tudo isso em mais dois posts mas resolvi colocar tudo em um só e fechar essa semana espiritual porque tem outros post na espera e eles estão reclamando de ficar tanto tempo na pasta rascunho. Tem muita coisa ainda mas fica pra uma próxima vez.









Aqui, devo ter feito uma viagem astral, como diz a Bru. Eu sempre vou para lugares muito estranhos.Eu lembro de apenas algumas coisas.Eu sei que tem mais detalhes mas eles não aparecem de jeito nenhum.Parece que ficam bloqueadas em alguma parte do meu cérebro.Alguns vão dizer que foi um sonho, até pode ser, mas um sonho não passa tanta informação com a riqueza de detalhes que eu testemunho.Mas enfim, uma coisa interessante, é que essas viagens não ocorre apenas a noite.Muitas vezes quando estou a toa, sinto um sono incontrolável e acabo dormindo onde quer que eu esteja.Em uma dessas viagens, estava caminhando em um parque com muitas árvores e um lago cristalino. Haviam muitos animais ali. Cavalos, cachorros, aves e flores.Muitas flores. Flores que eu nunca vi aqui. E olha que eu até fiz pesquisa no tio gúgol de flores exóticas mas não vi nenhuma parecida com as que eu vi ali. E outro detalhe, cores diferentes. Isso é muito complicado de explicar porque eu vi muitas cores que não existe aqui. As pessoas me perguntam - Mas tem que se parecer com alguma - mas não. O fato de eu não conseguir descrever essas cores, é simples. Não existe maneira de definir algo que nunca tenha sido visto antes. Era magnífico. Não vi pessoas. Via muitos animais. Eu caminhava ali como se conhecesse o lugar. Era muito lindo. Ao fundo, tinha uma igreja, ou pelo menos parecia uma. Toda branca. Avistei essa igreja e aqui há um corte na lembrança.Acontece alguma coisa mas não me lembro.Agora estou entrando em uma casa onde uma senhora de uns 40 anos, forte trajando um vestido longo florido aparece e me recebe de braços abertos.Ela tem os cabelos compridos mas estavam presos com um coque. Eu nunca (acho) tinha a visto antes.Tem uma fisionomia tranquila e suave.Mas eu a abraço e choro muito.Ficamos assim um bom tempo e eu acordo. Eu acordo chorando de verdade, rs é engraçado. Soluçando muito, agradeci o que quer que tenha sido esse encontro e durmo novamente.Dessa vez nada acontece.











No sofá da sala em um fim de tarde, estava lá sossegado na frente da tv- isso quando eu ainda assistia tv, hoje só assisto no almoço e quando estou no trabalho - e eu sinto uma presença, eu sempre sinto antes de mais nada.Eu sei quando estão por perto porque sinto frio, calafrios e alguma coisa muda.Eu posso sentir que tem alguém ali. Mas eu nem liguei porque sempre os senti mas nunca tinha os visto antes.Isso até esse dia. Do nada olhei a minha direta, bem na entrada da porta do meu quarto e eu os vi.Foi muito rápido mas eu os vi perfeitamente.Uma mulher com um vestido da época renascentista usava um grande chapéu adornado com plumas brancas e um manto dourado e segurava em dos braços um guarda chuva bordado e na outra a mão de um menino que estava também muito bem trajado, parecia um fraque.Não sei que roupa era aquela.E um senhor com o que parecia também um manto marrom e na cabeça uma mistura estranha de boina e cartola. Usava um bigode.Ao mesmo tempo que eu os enxerguei eles sumiram.Em seguida escutei a voz da mulher, outra vez muito perto do meu ouvido, falou que ela nunca ia descansar enquanto não destruisse a mim e a minha familia.Disse isso e sumiu. Epaaaaa perai! Foi muito ameaçador aquilo. Eu orei por eles e pedi perdão por qualquer que tenha sido a falta que tenha cometido contra aquela família no passado.Claro que eu não me lembro, mas nunca mais eu os vi ou senti novamente....











Eu preciso falar, mais um desabafo do que um relato. Eu sonho desde pequeno com uma grande onda, ou tsunami mas de tamanho descomunal.E vocês podem achar estranho, é em algum lugar mais pro futuro (não, não sou um profeta ) mas o mundo esta muito diferente nesses sonhos.Em um deles,estou no meio de uma cidade muito bonita e moderna.Prédios altíssimos de vidro com um design totalmente moderno, os veículos são bem diferentes e não tem rodas.Não, eles não voam como os da familia Jetsons, mas não tem rodas.Não sei o que os movem.Não tive tempo pra olhar. Ao meio de muita coisa moderna, existe uma fonte gigante ao centro dessa cidade, onde muitas crianças e adultos estão a brincar na água. Uma fonte branca e o sol esta a pino.O dia claro e límpido. Tudo escurece de repente. Ao longe, bem acima dos prédios, eu a vejo. A sensação é horrível mas não tem como correr.Ela engole tudo o que vê pela frente.Um segunda vez, estou em uma praia.Linda em algum lugar que não é o Brasil e nem o Japão. Tem muitas choupanas e casinhas próximas a praia e várias pessoas estão a ir e vir tranquilas.A mesma coisa, ela aparece lá ao fundo e o tamanho é tão descomunal,que vai ficando escuro a medida que ela se aproxima.Eu tento correr até a choupana que esta a minha mãe.Não dá tempo... e existem várias situações e lugares diferentes, mas o tamanho do tsunami é o mesmo. O mais estranho, é que em nenhum deles, eu me vejo sendo tragado.Eu nunca vejo o clímax, ou seja, a hora que ela desaba sobre a minha cabeça.Eu me vejo sempre pairando sobre ela, só água pra todos os lados. Em outro sonho, eu estou dentro do que parece ser um quarto, não sei se casa ou prédio, não sei bem, e esta muito escuro.Não lembro se tem mais alguém comigo.Mas sei que foi depois da onda ter tragado o mundo.A água, vem e bate no parapeito da minha janela mas nenhuma gota entra.A impressão que eu tenho, é de que ela vai entrar e inundar tudo ali.Mas não.Há um silêncio tenebroso e escuridão total.Nem a água se faz presente.Não sinto medo....não sei porquê....em situação semelhante, eu estaria morto de medo....eu sempre tive medo do mar...e agora eu sei porque..












Chegamos ao final e espero não ter passado a vocês uma imagem de um Léo freak. Mas isso sou eu.Sempre tive vontade de contar essas coisas que geralmente enfrento sozinho. Principalmente o sonho dos tsunamis. Sabem porque odeio palhaços?? Minha prima tinha um palhaço que tocava pratos e cantarolava uma música sinistra quando a gente dava corda nele. Uma vez, dormindo na casa dela, esse palhaço resolveu tocar de madrugada.Nem dei bola porque sempre sobra um pouquinho nesses brinquedinhos de dar corda. Mas no dia seguinte aconteceu a mesma coisa.De dia, eu falei pra minha prima.Ela pegou o palhaço em cima da estante e me disse que ele não podia tocar sozinho.Esse palhaço não era de dar corda.Era de pilha e estava sem uso há um tempão, e claro, sem pilhas.Ela tirou de um bauzinho velho que ela tinha, o palhacinho de dar corda.Aquele não tocava pratos e sim bateria. Mas eu tenho certeza que o que tocou era o que estava em cima da estante e não o do bauzinho. Acabou as férias e eu fui pra minha casa.Passou muito tempo e quando voltei lá, o palhaço não estava mais.Perguntei pra ela e ela me disse que tinha jogado ele fora. Ela me disse que depois que eu reclamei, ela tinha ficado com medo e deixou o palhaço no quarto de passar roupa. No dia seguinte pela manhã, meus tios tinham reclamado com ela, por ela ter ficado brincando com o palhaço na madrugada (o quarto deles ficava ao lado do quartinho de passar) !! Ela foi e jogou na lata de lixo. Passaram-se mais um longo tempo e eu participei de um bazar beneficente no colégio.Sabe aqueles joguinhos de atirar argolinhas ou de atirar com espingarda de pressão? Eu joguei meu último cupom no da espingarda.Os prêmios eram entregues conforme o número de balões que você estourava.Nem lembro quantos estourei.Ganhei uma caixa embrulhada com um papel pardo. Fui pra minha sala abrir o pacote.....vocês já devem ter imaginado o que tinha na caixa né? Era um palhaço com os cabelos vermelhos, uma expressão diabólica no olhar.Ele dava gargalhadas quando você apertava a barriga. Peguei o pacote com o palhaço e joguei no primeiro lixo que encontrei no meu caminho. ODEIO palhaço!

4 comments:

Farofa de Batata =] said...

Poxa leoooo que pena que vc não vai mais fazer estes posts tava gostando tantooooooo ^^
Pelo visto não vou te encontrar no msn neh? Que axa de trocar emails então? Sei lá, é que acho que posso te ajudar a pelo menos se sentir menos freak (menos pq eu sou freak, logo não saberei tirar isso de vc hahahaha)...caso aceite mande um email pro do msn ^^

Boa quartaaaaaa

Miquilissssss
Bru

Kiyomi, a.k.a. Piggy said...

Tsunami, se um dia der, já falei: minha casa vai ser uma das primeiras a ser atingida...
Enton, nem o Mac voce frequenta? Lembre-se do simbolo-propaganda...

Genoíno Cabral said...

Muito intrigante a repetição do mesmo Tsunami, mas com leve variações. Eu respondi o seu comentário no "SOS 2012" com o que os Maias diriam sobre o assunto. Abraço

Bah said...

Entendo o lance do Tsunami, mas nas minhas "visões" e/ou sonhos, o que visualizao sempre é uma queda de helicóptero. Eu e o helicóptero, na água, pq toda vez que vai chocar com a água, na hora do vamô vê, eu sempre acordo, me distraio... nunca consigo terminar dai. Quanto ao palhaço, ODEIO igualmente. Meu pai comprou um palhaço MUITO grande qdo éramos pequenas e deixou no meu quarto (meu e da minha irmã)tenho certeza q uma noite ele tinha mudado de posição... creep!

Kisu!